Em vídeo com mais de 30 mil visitas mãe brasileira denuncia: as abortistas não nos representam


Renata Gusson Martins

SÃO PAULO, 22 Mar.

Visto mais de 30 mil vezes em apenas uma semana no Youtube, um video gravado pela TV Senado (Brasil), mostra uma mulher e mãe brasileira denunciando que as abortistas e feministas financiadas por fundações internacionais como a Rockefeller, Ford e MacArthur, as quais ferindo a soberania do país vêm promovendo o avanço da legislação pró-aborto em Brasilia, simplesmente não representam a mulher brasileira e seus verdadeiros interesses.

A brasileira Renata Gusson Martins, mãe de cinco filhos, esteve presente na Sessão da Subcomissão permanente em defesa da mulher, uma audiência com o fim de debater as políticas públicas para a saúde da mulheres, presidida pelas Senadoras Angela Portela (PT); Ana Rita (PT); Lídice da Mata (PSB), ocorrida em Brasília no dia 08 de março, Dia Internacional da Mulher. Para a ocasião as senadoras da subcomissão convidaram mulheres financiadas pela Fundação MacArthur para falar sobre a “saúde” da mulher, mas não estenderam o convite às organizações de defesa da
vida e de amparo a mulheres grávidas. No entanto, mesmo sem convite, essas iniciativas pró-vida se fizeram presentes em Brasília na audiência, para surpresa geral das senadoras e das feministas convocadas.

Na ocasião, Renata afirmou que causava “muita tristeza” observar naquela data, especial para as mulheres de todo o mundo, que outras mulheres supostamente comprometidas com o bem das brasileiras, ao seguir piamente os manuais das organizações estrangeiras que querem promover o aborto na América Latina, simplesmente “não representam” as mulheres do Brasil, onde mais de 70% da população rechaça o aborto.

“As senhoras não representam a mulher brasileira. É preciso dizer isso!”, reafirmou Renata Gusson.

Renata criticou as senadoras pela má representação que fazem da mulher brasileira, ao comprometer-se com a agenda pró-aborto.

Autorizada a falar por três minutos em uma ocasião hostil à defesa da vida, Renata Gusson Martins questionou a instrumentalização das senadoras e a de organizações feministas que se dedicam profissionalmente à tarefa de fomentar, junto ao poder legislativo, leis que promovem a
legalização do aborto, de maneira especial no contexto da Reforma do Código Penal Brasileiro, cujo anteprojeto recentemente votado, deu parecer favorável a mais exceções de pena para o crime do aborto no Brasil.

Durante sua intervenção, Renata Gusson lembrou ainda às técnicas convidadas pela Subcomissão sobre a terrível realidade que, uma vez permitido o aborto, a exemplo do que ocorre nos Estados Unidos, a maior parte das clínicas seriam estrategicamente instaladas em regiões de baixa renda e em bairros de moradores predominantemente negros prejudicando estas populações.

Falando à Secretária Ângela Nascimento, Diretora de Programas da Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas do SEPIR/PR, Renata disse: “A senhora como secretária de políticas especiais de ações afirmativas sabe que o aborto nos Estados Unidos é legalizado até os nove meses desde 1973. E a maior quantidade de clínicas de aborto se concentram em bairros pobres e negros. Infelizmente esta é uma estrutura, uma engrenagem que se forma simplesmente para aprovar o aborto em um país. Infelizmente secretária, não se tem amor por mulher nenhuma”.  “E quem vai morrer, Secretária?” questionou Renata quem imediatamente respondeu: “50% das
crianças abortadas são mulheres. As que vão morrer são as mulheres, e especialmente as crianças negras”.

“Eu queria deixar esta manifestação e pedir que as senhoras representassem as mulheres do Brasil e não representassem interesses estrangeiros, contrários à população brasileira”, concluiu Renata Martins.

A denúncia de Renata, uma mãe de 30 anos de idade do estado de São Paulo, tem sido caracterizada como um verdadeiro desabafo pela grande maioria do público que vem assistindo o vídeo divulgado em diversos blogs e nas redes sociais como Facebook e Twitter.

Por meio dos comentários ao vídeo, essa maioria se diz representada por esta mãe brasileira que criticou a submissão de organizações de mulheres por seguir uma agenda ditada por fundações internacionais, que deu um novo giro à discussão sobre a despenalização do aborto no Brasil ao denunciar interesses estrangeiros de lucro no negócio de abortar crianças brasileiras, ferindo ademais a soberania do país que não deve estabelecer suas políticas de saúde das mulheres baseando-se em agendas ditadas por organizações internacionais.


 

Assita ao vídeo.

O site da Diocese de Campo Limpo está migrando para o endereço
www.dcl.org.br

 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!