Semana Mundial da Alimentação

 

Unidos Contra a Fome". Este é o tema do Dia Mundial da Alimentação 2010. A celebração é promovida em todo o planeta pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), no dia 16 de outubro. Foi neste dia, no ano de 1945, que foi criada a FAO.

No Brasil, todos os anos a data é celebrada pelo Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) juntamente com parceiros, órgãos públicos e privados e entidades da sociedade civil. Neste ano, acontecerão atividades de 11 a 17 de outubro, consolidando a Semana Mundial da Alimentação.

 

 


Estimativas recentes da FAO revelam que cerca de 1 bilhão de pessoas passam fome em todo o mundo. Embora o Brasil esteja cada dia mais perto de debelar o problema da fome, fruto do êxito de suas políticas públicas, muitos brasileiros ainda convivem com esse flagelo social.

Entre os objetivos do Dia Mundial da Alimentação estão: estimular uma maior atenção à produção agrícola em todos os países e um maior esforço dos países para acabar com a fome; estimular a cooperação técnica e econômica entre os países em desenvolvimento para acabar com a fome.

Outros objetivos são: promover a participação das populações rurais, em especial as mulheres camponesas e grupos mais vulneráveis, nas decisões e atividades que afetam as suas condições de vida; fortalecer a consciência política sobre o problema da fome no mundo.

A FAO também quer que os países promovam a transferência de tecnologias e fomentem o sentido de solidariedade interna e externa na luta contra a fome, a desnutrição e a pobreza, bem como celebrar os êxitos obtidos em desenvolvimento agrícola e alimentar.

 

Alimentação e Hortas Caseiras da Pastoral da Criança            

A ação Alimentação e Hortas Caseiras na Pastoral da Criança tem como objetivo levar informações e dicas sobre alimentação saudável e plantio de hortas caseiras a todo os líderes e famílias acompanhadas.

Atualmente a obesidade é um grande problema em nosso país, que atinge todas as classes sociais. Um dos fatores responsáveis pelo aumento do número de obesos é a alimentação. A população brasileira consome muitos alimentos industrializados, ricos em gorduras e açúcares, e poucos alimentos saudáveis, como frutas, verduras e legumes.

Assim como a desnutrição, a obesidade precisa ser combatida para diminuir o aparecimento de tantas doenças decorrentes do excesso de peso. Doenças cardiovasculares, diabetes, pressão alta, são algumas das doenças que a obesidade pode provocar.

Diante desse cenário, a Pastoral da Criança decidiu incentivar as famílias a plantarem seus próprios alimentos, por meio das hortas caseiras, e a utilizarem verduras, legumes e frutas na alimentação do dia a dia. Dessa forma, a Pastoral da Criança contribui para melhorar a saúde a alimentação dessas famílias e colabora para que os princípios da Segurança Alimentar e Nutricional realmente aconteçam.

 

"Loucos de raiva com a fome"

"1.000.000.000 de pessoas vive com fome crônica e eu estou louco de raiva". Com um apitaço, bandeira do Brasil na mão, conselheiros e conselheiras do CONSEA (Conselho Nacional de Segurança Alimentar), o representante regional da FAO para a América Latina e Caribe José Graziano da Silva e uma delegação de 40 conselheiros de segurança alimentar da América Latina e Caribe lançaram a campanha "1billionhungry" (um bilhão com fome, na tradução literal) esta semana em Brasília.

A campanha "1billionhungry" usa imagens e mensagens fortes para chamar a atenção para o problema e pedir um basta à fome. Um dos destaques é o vídeo promocional estrelado pelo ator britânico Jeremy Irons, no qual ele interpreta um personagem baseado na famosa cena do filme Rede de Intrigas (Network).

Uma petição on-line pede que os governos façam da erradicação da fome sua principal prioridade. E que as pessoas fiquem indignadas com o fato de que cerca de um bilhão de pessoas no mundo viva com fome.

O símbolo da campanha é um apito amarelo. A idéia é encorajar as pessoas a apitar contra a fome. "Deveríamos estar furiosos com o vergonhoso fato de que seres humanos ainda sofram de fome", disse o Diretor Geral da FAO, Jacques Diouf. "Se você se sente assim, quero que você dê voz à sua raiva. Todos vocês, ricos e pobres, jovens e idosos, em países em desenvolvimento e desenvolvidos, devem expressar sua raiva sobre a fome mundial assinando a petição global."

Se o mundo continuar no mesmo ritmo de redução da fome, o objetivo de Desenvolvimento do Milênio de reduzir pela metade o percentual de pessoas com fome até 2015 não será alcançado. De cerca de um bilhão de pessoas com fome, 642 milhões vivem na Ásia e no Pacífico, 265 milhões na África Subsaariana, 53 milhões na América Latina e Caribe, 42 no Oriente Médio e Norte da África e 15 milhões em países desenvolvidos.

Segundo José Graziano, América Latina e Caribe é a única região do Mundo que teve retrocessos em número de pessoas com fome por causa da crise econômica. Nesta região, "quem não trabalha não come". O único país que gerou empregos durante a crise foi o Brasil. "É um milagre".

Houve queda dos preços agrícolas no período, mas não houve queda de preços dos insumos. A cesta básica dobrou com a crise na maioria dos países. Assim, recrudesceu a pobreza, que vinha diminuindo em número de pessoas e em percentual.   Hoje, América Latina e Caribe têm mais pobres e miseráveis que nos anos oitenta. São hoje 53 milhões de famintos quando eram 45 milhões em números absolutos. "Perdemos em três anos o que levamos quinze para avançar". Na Guatemala, há uma criança desnutrida para cada duas. Ao mesmo tempo, aumenta o sobrepeso. "Comemos pouco e comemos mal."

Segundo Graziano, os países com maiores recursos são os que têm maiores programas de segurança alimentar. Os que gastam mais, têm menores índices de desnutrição infantil.

As razões deste quadro são principalmente três. Há pouca capacidade de reação dos países à crise econômica, o que tem a ver com os processos de privatização dos tempos neoliberais. Os países não têm, por exemplo, armazéns para armazenar os produtos ou bancos públicos para financiar a produção. O sistema tributário latino-americano é o mais injusto do mundo. Poucos países têm um mínimo de impostos sobre a propriedade, os chamados impostos diretos. Como a maioria dos impostos incide sobre o consumo, os impostos indiretos (ICMS, por exemplo), quando há crise, cai o consumo e cai a arrecadação de impostos. Na América Latina a redistribuição de renda, arrecadado o imposto, é de apenas 2% em média; na Europa chega a cerca de 30%. E, terceiro, "contam-se nos dedos os países que têm institucionalidade sobre segurança alimentar e nutricional". Poucos países têm leis que garantam o direito à alimentação ou conselhos e participação social na definição das prioridades. Os que têm, as leis são recentes, dos anos 2000.

Se olharmos o futuro, diz Graziano, as perspectivas não são boas. "Se repetirmos o padrão de recuperação da crise dos anos oitenta, os indicadores sociais levam o dobro do tempo para se recuperarem em relação aos indicadores econômicos. Como se estimam 12 anos para a recuperação econômica, seriam 24 para a retomada dos indicadores sociais."

A fome tem pressa, dizia Betinho Por isso, a urgência da campanha lançada para a FAO em todo o mundo, que deve recolher um milhão de assinaturas até o dia 16 de outubro, Dia Mundial da Alimentação. O CONSEA já está engajado. Falta agora engajar governos e sociedade. As assinaturas podem ser feitas por meios eletrônicos assim como haverá listas de assinaturas circulando em todos os lugares.

O site da Diocese de Campo Limpo está migrando para o endereço
www.dcl.org.br

 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!