Cinco urgências, dez metas! Assembleia Diocesana define as ações para o quadriênio 2017-2020

A 26ª Assembleia de Evangelização da Diocese de Campo Limpo reuniu na Paróquia São Bento do Morumbi e Colégio Santo Américo 595 representantes, das paróquias e grupos diocesanos (pastorais, movimentos, associações, comunidades etc.), entre sacerdotes, religiosos, diáconos, seminaristas, leigos (delegados paroquiais e agentes das pastorais diocesanas) para discutirem as ações efetivas que deverão ser adotadas no quadriênio: 2017 – 2020. 

O tema desta assembleia foi: “6º Plano Diocesano de Evangelização” e lema: “Formar a pessoa (Palavra), para viver em comunidade (Liturgia) e agir na sociedade (Caridade)”, em consonância com os recentes documentos da Igreja no Brasil e também da América Latina e Pontifícios. 

Após o café da manhã, todos foram conduzidos à igreja matriz da Par. São Bento, para a oração inicial, cuja motivação foi conduzida pelo Padre Rodolfo Camarotta, assessor diocesano da Ação Evangelizadora das Juventudes. “Vamos viver nessa assembleia a experiência do dom de Nossa Senhora que, dizendo o seu sim nos ajuda a confirmar a nossa missão”. 

A Paróquia Nossa Senhora Aparecida e São Lourenço, de São Lourenço da Serra, preparou um momento mariano para a abertura da assembleia, durante a oração inicial. A imagem de Nossa Senhora entrou na paróquia seguida pela réplica de um barco com os três pescadores, representando o encontro da imagem nas águas do rio Paraíba do Sul há 300 anos. Dom Luiz Antônio Guedes, Bispo Diocesano de Campo Limpo, fez a coroação de Nossa Senhora e em seguida todos entoaram a Oração Jubilar: 300 Anos de Bênçãos! 

Ao acolher os participantes da assembleia, Dom Luiz disse que este era um momento para tornar visível a comunhão que se vive de forma espalhada nos vários cantos da Diocese de Campo Limpo. “Isso é um motivo de alegria para todos nós e também de reforço, de felicidade e de novo ânimo para continuarmos caminhando”. 

Dom Luiz também lembrou o falecimento do ex-coordenador diocesano da Pastoral Catequética, Wagner Giusi Corrêa, prestando uma homenagem pedindo a todos, um minuto de silêncio e orações. 

Padre Marcos Joaquim Patrício, coordenador geral da pastoral diocesana apresentou a dinâmica do dia dando as orientações necessárias para que os horários fossem cumpridos para um melhor aproveitamento do encontro. “Teremos três apresentações com os momentos específicos da assembleia. Padre Fausto dos Santos Oliveira falará sobre os textos básicos que nos ajudaram em toda a nossa caminhada até agora, eu apresentarei os objetivos da nossa assembleia, em seguida o Padre Fausto voltará com tudo o que já foi sugerido desde o início das últimas assembleias e finalmente, o Padre Francisco Glênio de Almeida irá orientar a parte da dinâmica”. 

Para a dinâmica foram formados 30 grupos e cada um tinha como missão, escolher duas indicações pastorais de cada uma das cinco urgências, que a Diocese de Campo Limpo deve se concentrar nos próximos quatro anos, totalizando 10 metas diocesanas, que em seguida foram votadas no plenário e aprovadas por unanimidade, a saber: 

Primeira urgência: Igreja em estado permanente de missão

1) motivar a formação da Pastoral da Acolhida em todas as paróquias de forma organizada e preparada para acolher bem e ir de encontro das pessoas integrando-as na celebração e na vida da comunidade;

2) renovar a consciência e fortalecer a identidade missionária de cada sujeito eclesial: ministros ordenados, religiosos, cristãos leigos, comunidades, paróquias, pastorais, movimentos, grupos e organismos sociais que nasce a partir do sacramento do batismo e da sua vivência;

Segunda urgência: Igreja – Casa da Iniciação à vida cristã

3) a Pastoral Familiar, em comunhão com a Catequese deve dar a sua grande contribuição no processo de evangelização das famílias. É necessário motivar e fortalecer a Catequese Sacramental aos pais que não completaram a iniciação e também incentivar a Catequese Permanente Familiar um dos grandes passos para uma conversão pastoral é o investimento na Catequese Familiar;

4) elaborar o Diretório Diocesano dos Sacramentos, levando em consideração as atuais mudanças ocorridas na sociedade, principalmente em relação às famílias, respeitando as orientações vigentes da Igreja e reforçar as orientações litúrgicas para as suas respectivas celebrações;

Terceira urgência: Igreja – lugar de animação bíblica da vida e da pastoral

5) investir na capacitação para a formação de lideranças e coordenadores oferecendo conteúdo e instruções significativas para o exercício de uma liderança sadia que desenvolva a espiritualidade consistente do serviço, diálogo e comprometimento do exercício do ministério em suas respectivas pastorais, movimentos, comunidades etc.;

6) apoiar e investir sistematicamente nos grupos de famílias, círculos bíblicos e pequenas comunidades que se reúnem para meditação e vivência da Palavra; ter um olhar atencioso para aqueles que estiverem à frente destes pequenos grupos tenham o mínimo de orientação e formação para conduzi-los;

Quarta urgência: Igreja – comunidade de comunidades

7) fazer um levantamento da realidade local de cada paróquia no que diz respeito as escolas, faculdades, hospitais, cemitérios, presídios, asilos, creches, ONG’s, projetos sociais, templos religiosos que estão presentes no território paroquial, além das devoções populares existentes para planejar a sua ação evangelizadora;

8) fortalecer na simplicidade e humildade os laços de amizade e comunhão entre os paroquianos e suas famílias através da realização de encontros de confraternização, vivência, partilha e espiritualidade, fomentando a consciência de que a paróquia é uma grande e única família;

Quinta urgência: Igreja a serviço da vida plena para todos

9) motivar um olhar mais atencioso para as famílias. A família é a base, o esteio, o sustento de uma sociedade mais justa e fraterna. Ela é escola de comunhão, o primeiro lugar para a iniciação à vida cristã onde os pais são os primeiros catequistas por ser considerada um eixo transversal da ação pastoral. A família precisa ser respaldada por uma pastoral familiar intensa, vigorosa e frutuosa;

10) fortalecer a organização dos cristãos leigos e leigas por meio da Ação Evangelizadora do Laicato e dos grupos de articulação dos leigos para o amadurecimento da vida, missão e vocação laical. 

 

Prêmio Sal da Terra e Luz do Mundo

 

Pelo segundo ano consecutivo a Diocese de Campo Limpo concede o prêmio “Sal da Terra e Luz do Mundo” em reconhecimento ao trabalho realizado por leigos na área pastoral. Em 2017 a eleita pela comissão organizadora foi Valdete Calixto dos Santos, que atuou por vários anos na Pastoral da Criança e implantou o programa Multimistura na Diocese. 

Além disso, atuou ao lado da Dra. Zilda Arns em diversas ações da pastoral em nível nacional.

O prêmio foi entregue por Dom Luiz Antônio Guedes e, muito emocionada, Valdete disse que “esse prêmio que recebo hoje é a Pastoral da Criança que está recebendo, não é a minha pessoa, é a pastoral e todas as pastorais da Diocese”.

Ela também lembrou que quando começou seu trabalho, no ano 2000, não conhecia as ações da Pastoral da Criança e tinha medo de assumir a responsabilidade de coordenar a equipe. “Eu não tenho leitura, eu não tenho nada, mas a Pastoral da Criança dá formação, é só abrir o coração, é fazer com amor o trabalho da pastoral”.

Em 2016 o prêmio foi entregue à ex-coordenadora diocesana da Pastoral Catequética, Geni Zelinda Cremasco. 

A assembleia foi encerrada com um almoço de confraternização a todos os participantes, após a motivação diocesana para 2017, feita por Dom Luiz e oração final, na qual cada participante entregou sua intenção de oração que foi depositada no barco de Nossa Senhora Aparecida.

O site da Diocese de Campo Limpo está migrando para o endereço
www.dcl.org.br

 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!